Uncategorized

Quais são as funções de um síndico?

Muitas pessoas se questionam sobre quais as funções de um síndico.

São muitos os desafios que ele precisa enfrentar no dia a dia, afinal, lidar com pessoas diferentes convivendo em um ambiente todos os dias é bem difícil.

Para ser síndico, é necessário que a pessoa esteja sempre atualizado para garantir a satisfação de todos os condôminos.

Para te ajudar a entender melhor as funções de um síndico

Neste post, vamos esclarecer para você as funções de um síndico, quem pode ser síndico e daremos problemas e soluções para alguns casos mais genéricos que acontecem nos condomínios.

Vem com a gente!

Primeiro, vamos esclarecer quem pode ser síndico.

Quem pode ser síndico?

Algumas perguntas frequentes são:

Uma pessoa que não mora no condomínio pode ser síndica?

A resposta é sim.

A lei presente no Artigo 1.347 do Código Civil diz que:

“A assembleia escolherá um síndico, que poderá não ser condômino, para administrar o condomínio, por prazo não superior a dois anos, o qual poderá renovar-se”.

Ou seja, desde que a pessoa seja escolhida em assembléia, ela pode sim ser síndica.

Proprietários, locatários, síndicos autônomos, qualquer um pode ser síndico desde que seja votado pela maioria.

O ideal é que o síndico seja um proprietário, por estar sempre alí, saber o que acontece, o que tem carência, e ter um interesse particular nisso.

Como fazer para participar da Assembléia?

Para participar da Assembleia a regra é ser condômino, e estar em dia com sua cota condominial, ou ser representante, portando procuração de algum condômino com firma reconhecida.

Quais os direitos e deveres do cargo?

O síndico tem a função de administrar o condomínio.

Ele trata de questões como ordem social em geral (relacionamento de condôminos,  utilização de áreas comuns e de lazer, tudo que se relaciona a finanças, tributos e RH).

A lei presente no Artigo 1.348 do Código Civil, fala quais são os deveres do síndico.

Entre eles estão:

I – Convocar a assembléia dos condôminos;

II – Representar, ativa e passivamente, o condomínio, praticando, em juízo ou fora dele, os

atos necessários à defesa dos interesses comuns;

III – Dar imediato conhecimento à assembleia da existência de procedimento judicial ou administrativo, de interesse do condomínio;

IV – Cumprir e fazer cumprir a convenção, o regimento interno e as determinações da assembleia;

V – Diligenciar a conservação e a guarda das partes comuns e zelar pela prestação dos serviços que interessem aos possuidores;

VI – Elaborar o orçamento da receita e da despesa relativa a cada ano;

VII – cobrar dos condôminos as suas contribuições, bem como impor e cobrar as multas devidas;

VIII – prestar contas à assembléia, anualmente e quando exigidas;

IX – Realizar o seguro da edificação.

1ºPoderá a assembleia investir outra pessoa, em lugar do síndico, em poderes de representação.

2ºO síndico pode transferir a outrem, total ou parcialmente, os poderes de representação ou as funções administrativas, mediante aprovação da assembleia, salvo disposição em contrário da convenção.

São muitas funções que o síndico de um condomínio carrega, além das grandes responsabilidades que a lei cria sobre o síndico.

Ao mesmo tempo que ele é líder, é representante legal e guardião do bem-comum. São tantas atribuições que é difícil fazer tudo sozinho.

Toda decisão que o síndico toma, que cause algum prejuízo ao condomínio ou a terceiros, ele pode correr o risco de ser penalizado.

Quem ocupa esse cargo tem a responsabilidade civil de cumprir a lei a risca.

Terceirização de síndico

Alguns condomínios optam por contratar síndicos externos para fugir desta responsabilidade.

Existem empresas e profissionais autônomos que oferecem esse tipo de serviço.

Mas atenção! Seja cauteloso e criterioso na seleção, pois os atos praticados por esse profissional são vinculados ao CNPJ do condomínio.

Sendo assim, se um ato irregular for praticado, o condomínio será responsável por suas consequências.

Selecione profissionais com experiência comprovada e verifique as referências.

É importante ter o acompanhamento de um advogado de confiança na hora de verificar contrato.

O síndico autônomo, após eleito, equipara-se a um síndico condômino.

O síndico tem salário?

Não! O síndico não é um funcionário do condomínio, e sim o gestor, porém é comum que na Convenção esteja estabelecida uma contrapartida por seus serviços.

Poderá ter uma remuneração para o síndico de acordo com cada condomínio, como pró-labore ou isenção da cota condominial.

Seja qual for a natureza da contrapartida (pró-labore ou isenção de cota), esses valores estão sujeitos a retenção e recolhimento de INSS.

Qualidades que um bom síndico deve ter

A escolha do síndico precisa ser feita com muita cautela.

Qualquer um pode ocupar o cargo, mas nem todos conseguirão ter um bom desempenho.

Na hora de escolher o síndico, observe as seguintes características:

– O síndico não pode ser muito “mão de vaca”, mas também não deve esbanjar dinheiro, ele deve saber quando investir e quando cortar custos.

– Deve mantenha seu patrimônio bem cuidado.

– Ser flexível, sabe ouvir, prezar por uma boa comunicação e decisões feitas em grupo.

– Saber como controlar conflitos de forma racional, evitando misturar emoções.

– Ter conhecimento financeiro, administrativo e jurídico.

– Ter perfil de líder e transmitir confiança.

– Ser transparente e prestar contas mensalmente.

Ou seja, precisa ser uma pessoa que tenha perfil ativo no condomínio e que seja capacitada para administrá-lo.

Para quem gosta de liderar e tem perfil para isso, fica tudo mais fácil.

Dicas para os síndicos

Algumas situações chatas podem ocorrer, e é o papel do síndico contornar isso de uma forma que seja melhor para todos.

Conflitos entre condôminos

Uma das situações mais chatas de se resolver são os conflitos entre condôminos.

Isso é um grande desafio, pois as pessoas têm pensamentos, emoções e desejos diferentes.

O síndico tem o papel de apaziguar a situação e buscar soluções para favorecer a maioria.

Procure manter a paciência e o diálogo. Primeiro converse com todas as partes envolvidas para depois chegar em uma conclusão, evitando brigas sem fim.

Problemas com prestadores de serviços e fornecedores

Algumas vezes acontecem problemas com prestadores de serviços e fornecedores.

A demora em solucionar o problema é o que mais ocasiona a impaciência dos moradores.

Para evitar esse tipo de coisa, faça uma pesquisa antes de contratar um serviço ou fechar com fornecedores.

Pesquisa sobre a reputação da empresa, veja o histórico de atendimento, analise se há muitas reclamações e peça recomendações.

Assim, você evita problemas, sem trazer mais dores de cabeça.

Administração do tempo

As vezes, o síndico sente que faltam mais horas no seu dia.

A chave do sucesso é não deixar as coisas para a última hora, pois imprevistos podem acontecer.

Opte por controlar suas tarefas com a ajuda de agendas, planners, ou até aplicativos de celular.

Manutenção em obras

Dar manutenção em obras é realmente trabalhoso.

Demonstre interesse em resolver o problema de cada solicitação e seja claro quanto o tempo da manutenção, assim, você evita estresse da ambas as partes.

Segurança aos moradores

A segurança é um grande desafio para os síndicos.

Demonstre preocupação com esse quesito e invista em segurança.

Quando solicitado por um condômino, seja atencioso e mostre-se preocupado com esta questão também.

Ser síndico não é fácil, não é mesmo?

São muitos desafios, demandas, acompanhamentos a serem feitos, conflitos a serem gerenciados e interesses a serem avaliados.

Mas com esse artigo, pelo menos agora você terá uma noção das funções de um síndico e como escolher um responsável para administrar o condomínio.

Se você se identificou com esse post ou conhece alguém que irá se identificar, compartilhe!

Você também pode ler sobre vários outros temas em nosso blog!

Se tiver alguma outra dúvida que possamos te ajudar, entre em contato no 3045-4545 ou www.mdimoveis.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *